Apresentação


Nosso sonho tem um lugar

No sul de Minas Gerais, descobrimos um tesouro: o Vale da Lavrinha. Ave! Lançamo-nos à rica aventura: transformamos o espaço fértil em água, árvore, ave e gente na Reserva Particular do Patrimônio Natural
Ave Lavrinha.

Reunimos forças, cruzamos fronteiras. Fincamos bandeiras da responsabilidade com alegria. Unimos fragmentos em risco – a Mata Atlântica. Formamos unidades no diverso – o Mosaico da Mantiqueira. Alimentamos partículas do absoluto – todo Planeta!

( Monte, Nietta, 2011)



Localizada no município de Bocaina de Minas, MG, a Reserva Particular do Patrimônio Natural Ave Lavrinha, de 49,05 hectares, foi homologada em 2006 pelo Instituto Estadual de Floresta de Minas Gerais, IEF/MG. Em 2009, integrou-se a outras 19 unidades do Mosaico de Unidades de Conservação da Serra da Mantiqueira. Seu objetivo é a preservação dos recursos naturais, em perpetuidade, com a participação das comunidades do entorno. Busca-se, no coletivo, alternativas para um novo tipo de desenvolvimento na região com bases sustentáveis. Para isto, desde 1987, ano da aquisição da fazenda Lavrinha, ações de proteção, conservação e promoção da sua biodiversidade foram conciliadas à prática de agricultura orgânica, quintais agroflorestais, criação de animais para consumo. Com o apoio de profissionais e instituições de pesquisa, são estudadas e implementadas, no entorno da reserva, tecnologias de manejo com foco na regeneração do solo, da vegetação, da fauna e dos recursos hídricos. Também se formulam e implementam ações educativas e socioambientais junto à parcela da população local para a sua inclusão, cidadania, respeito à diversidade socio-cultural e de gênero, em parceria com a sociedade civil organizada de municípios vizinhos, como a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, APAE. Novas áreas de floresta estão sendo adquiridas no entorno da RPPN, para a formação de um corredor de proteção da biodiversidade Ave Lavrinha. No ano de 2012, trinta (30) hectares de mata foram anexados à fazenda e ainda até 2015 pretende-se criar mais duas RPPNs em áreas contíguas. Todas as áreas de floresta da reserva e de seu entorno são protegidas por extensas linhas de aceiros, abertas e ou mantidas na época do inverno pelos funcionários da fazenda, além das trilhas para a visitação científica.